Pena de morte: eu d…

•março 11, 2010 • Deixe um comentário

Saiba no blog Espaço Aberto o que eu penso: http://espacoabert0.blogspot.com/

Um lugar chamado… Watson Lake

•março 4, 2010 • Deixe um comentário

 

Estava procurando algumas figuras em um banco de imagens e vi essa foto. É impossível deixá-la passar desapercebido. Essas formações rochosas envoltas de água são belíssimas. Sem contar que o céu favoreceu muito o ambiente para a foto. Clique aqui para ver a foto em tamanho real.

Fui procurar que lugar era esse. Na definição da foto, estava apenas escrito Watson Lake. Segundo minhas pesquisas, Watson Lake é uma pequena cidade do Canadá, onde moram cerca de 1500 habitantes que, cá para nós, são muito privilegiados.

A cidade é famosa por suas placas (são mais de 48 mil!). Tudo começou quando soldados começaram a pôr placas indicando direções e distâncias. Só que isso acabaria se tornando mania por quem passava. Veja a foto que o site Evoviagem publicou:

É uma verdadeira floresta de placas! Veja:

Muitas pessoas que viajam de moto rumo ao Alaska passam por essa cidade. Se fizer uma pesquisa rápida, você ira encontrar várias páginas sobre essas viagens, como a do Inema, que conta um pouco disso.

Veja agora um vídeo desses motoqueiros viajantes:

Segundo alguns sites, além de tudo isso que eu já falei, ainda dá para se presenciar a aurora boreal em determinadas situações. O frio ajuda a aumentar o charme dessa cidade. Está aí um lugar que eu gostaria de ir! Watson Lake, Canadá.

Veja mais algumas fotos aqui:

sddgfg

Mais uma sobre educação

•março 4, 2010 • Deixe um comentário

Realmente as condições de lá estão péssimas!

Pequenos gestos com grandes consequências

•março 4, 2010 • Deixe um comentário

 

Hoje vivi uma situação totalmente desagradável. Quando estava pagando o ônibus, coloquei o dinheiro em cima da mesinha que serve como caixa e fui passando, com certa pressa. A cobradora olhou para mim e perguntou:

-“ Esta com nojo de mim?”

Eu não entendi e soltei um “Hã?”. Ela completou:

-“ Não deu o dinheiro na minha mão…”

Eu fiquei meio sem ação. O meu ato de deixar o dinheiro ali e já ir atravessando a catraca era porque havia uma fila atrás de mim e achei que estaria agilizando o serviço para ela. Mas ela entendeu de outra maneira. Fiquei muito triste com aquilo. Percebi que realmente dei a entender de que não queria dar na mão dela e que isso, para alguém que está trabalhando por algumas horas parada e atendendo pessoas de todo tipo, se tornou uma ofensa. Fiquei com aquilo na cabeça durante todo o trajeto. Quando cheguei ao meu destino, fiquei com vontade de pedir desculpas antes de descer no ônibus, mas acabei me retraindo e sai sem falar com a cobradora. Estou com isso entalado em meu coração. Percebi que qualquer gesto pode fazer a diferença hoje em dia. Irei tomar mais cuidado.

Preconceito obeso

•março 3, 2010 • Deixe um comentário

Notícia do site do Bom Dia Brasil:

Em maio de 2008, ela pesava 96 quilos. Se sentia bem e com saúde. Precisava de um trabalho. Quando achou que tinha conquistado a vaga, veio a frustração.

“O médico falou que não podia me contratar porque eu estava acima do peso, estava obesa e poderia trazer problemas de saúde para a empresa. Falei que não tinha problema nenhum de saúde. Ele disse que eu poderia adquirir e a empresa não contrata gente acima do peso. Saí de lá arrasada, chorando. Pensei se lá é o único lugar de cidade pequena que contrata e eu não vou conseguir trabalhar, imagina nos outros lugares”, lembra a dona de casa Daiana Fernandes.

É inacreditável que exista um preconceito desses ainda. Como se pode retirar alguém de uma vaga conquistada com trabalho duro, porque ela está acima do peso? Será que agora vou ter que por meu “estado estético” no currículo? Imaginem:

Nome: João Silva

Estado Civil: Solteiro

Estado Estético: 2 kg acima de peso

Formação: ….

Um fato como este pode causar grandes prejuízos psicológicos à quem sofre. Essa mulher se tornou vítima do esteriótipo que ela não alcançou. Veja o que acabou acontecendo:

Depois de ter sido vetada por causa do peso, Daiana entrou em crise. Tomou remédios, tentou várias formas de emagrecer. Até que resolveu fazer uma cirurgia de redução de estômago. Hoje, pesa 74 quilos. Mas o que a faz se sentir mais leve é ter conseguido provar que foi discriminada no processo de seleção. A empresa foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar uma indenização de R$ 5 mil.

Claro que emagrecer era uma melhor opção para ela, principalmente pela questão da saúde e da autoestima. Mas competência não se mede pela fita métrica.

Não fui eu!

•março 2, 2010 • Deixe um comentário

Algumas pessoas brincaram que eu fiz “macumba” para o Playstation om o post de ontem. Não foi nada disso (apesar de ter gostado do que aconteceu)!

Sufocado (reedição)

•março 2, 2010 • Deixe um comentário

Estamos vivendo sufocados. Um sufoco sem fim. É como se estivéssemos com uma multidão atrás de nós, e na nossa frente tivesse um muro largo e alto. O mundo conspira para que eu e você iremos para o mesmo lugar.

Em todo lugar, você conversa com alguém que pergunta: “Você já foi ao Qualquer Lugar (nome fictício )?”. Se a resposta for não, vem logo a réplica: “Como assim? Todo mundo vai lá!” Bem, primeiramente, essa pessoa deveria escolher melhor as palavras. Se eu não fui não é todo mundo que vai lá. Segundo, por que o espanto? Ninguém tem que ir ou conhecer algo, alguém ou algum lugar porque “quase” todo mundo conhece. Pena que não é assim.

A partir daí, começam uma sessão de pré-julgamentos. “Ele deve ser chato, ranzinza e pobre, porque nunca foi ao Qualquer Lugar…” É assim mesmo, não há como discutir. Você é julgado por tudo que você faz com proporções muito maiores do que elas realmente têm. Se não seguir o padrão, você com certeza será chamado de esquisito ou, delicadamente falando, “diferente”. E começa a pressão e o sufoco para você se alinhar aos legais, que não são necessariamente legais. É como se uma manada corresse atrás de você gritando: “Siga o modelo! Siga o modelo!”. Este modelo que não tem nada a ver com felicidade.

Siga o seu modelo. Siga os seus instintos. Seja você. Não seja a próxima máquina a ter em seu corpo o sistema “Robot” e ter que ir ao Qualquer Lugar. Dizem que o café de lá é ruim 🙂 …